• Acesse a área exclusiva:

Dor no Estômago

As doenças gástricas são freqüentes e já existem exames para melhor compreensão das causas de azia e do refluxo gastro-esofágico.

O que é Doença do Refluxo Gastroesofágico?

Se você tem tido azia freqüente, pode ser que você tenha esta doença. Caracteriza-se por uma queimação atrás do peito causada pelo refluxo das secreções contidas no estômago para o esôfago. Como o revestimento interno deste órgão não é preparado para suportar o refluxo, sofre irritação e surgem sintomas como pirose, azia, queimação e regurgitação. Além disto, a pessoa pode apresentar dificuldade para dormir após alimentação, vômito, dificuldade para engolir, tosse crônica, rouquidão ou dor de garganta.

Por que ocorre o refluxo?

Quando você engole, o alimento atravessa um tubo chamado esôfago antes de chegar ao estômago. Na entrada do estômago, existe uma válvula que controla a entrada dos alimentos. Esta válvula se chama esfíncter. Normalmente, esta válvula se fecha depois que o alimento chega ao estômago e impede que os ácidos refluam de volta ao esôfago. A doença ocorre quando há um defeito no funcionamento desta válvula. Se o refluxo persiste por um longo tempo, o esôfago torna-se irritado e inflamado, causando danos ao esôfago.

O que é a Hérnia de hiato?

O hiato esofagiano é uma passagem anatômica entre o tórax e o abdome, por onde o esôfago atravessa. Quando este orifício está alargado, uma parte do estômago sobe para o tórax ocorrendo a hérnia do hiato. Muitas vezes ela atrapalha o funcionamento do esfíncter (espécie de válvula) entre o esôfago e estômago cuja função é impedir o refluxo.

Por que operar?

A decisão de indicar a cirurgia é baseada na falha do tratamento medicamentoso e quando aparecem as complicações da doença. A endoscopia é muito importante para essa avaliação, pois permite ao médico olhar o esôfago e o estômago por dentro e fazer biópsias. Outros exames como a pHmetria e manometria podem ser necessários para avaliar a quantidade do refluxo e a capacidade de funcionamento da válvula (esfíncter) do esôfago.

A doença do refluxo gastroesofagiano refratária aos medicamentos tende a evoluir para esofagite podendo provocar alterações do revestimento interno do esôfago, como ulcerações, metaplasia e displasias (Doença de Barrett), que em alguns casos pode evoluir para câncer. A cirurgia tem como objetivo controlar os sintomas, acabar com a agressão ao esôfago e interromper a evolução da doença.

Como se faz a cirurgia?

Com uso de moderna tecnologia, a operação é realizada hoje por um método chamado laparoscopia, onde são feitos pequenos orifícios na parede abdominal, não necessitando grandes cortes. Com isto, a dor é mínima, com internação de um dia e o retorno ao trabalho pode ocorrer dentro de uma semana.

A cirurgia procura construir uma nova válvula usando o próprio estômago. Quando há hérnia de hiato, ela é reduzida e o fundo do estômago é posicionado ao redor do esôfago inferior de modo a criar uma “nova válvula” que aumenta a pressão neste local impedindo o refluxo.

Quais são os riscos da operação por laparoscopia?

Embora a cirurgia seja considerada muito segura, complicações podem ocorrer em qualquer operação. Apesar de raras, as complicações que podem ocorrer após a cirurgia incluem: hemorragia, lesões e infecção envolvendo a ferida, órgãos ou abdome, incapacidade de vomitar, dificuldade em engolir.

O que posso comer depois da operação?

Na primeira semana, alguns pacientes apresentam pequena dificuldade para ingerir alimentos. Esta queixa acontece normalmente nas primeiras 72h e é ocasionada pelo edema no local da válvula. Sendo assim, a dieta recomendada deverá ser líquido-pastosa na primeira semana.

Nunca mais vou tomar remédio para azia?

A grande maioria não tomará mais remédios para sua doença.

Vou emagrecer?

Não. Esta não é uma cirurgia de controle de obesidade.

Em quanto tempo posso trabalhar e fazer exercícios físicos?

Geralmente a internação é de um dia. O ideal é voltar ao trabalho após dez dias. Porém, em alguns casos, o paciente poderá iniciar trabalhos leves em uma semana dependendo da avaliação do seu médico. Exercícios físicos moderados somente após um mês de pós-operatório.

Quais as recomendações para o pós-operatório?

Aconselharia seguir o seguinte cronograma começando a contagem no dia da operação:

  1. Primeiros sete dias de pós-operatório: Dieta líquido-pastosa (sopas, purês, canjas magras, sucos naturais, gelatinas e geléias etc) sem gorduras e condimentos. Dar preferência a líquidos mais consistentes.
  2. Segunda semana de pós-operatório: Dieta branda (legumes cozidos, grelhados, purês, arroz, carne moída, massas) após liberação do seu médico.
  3. Não dirigir automóvel durante dez dias.
  4. Evitar atividade sexual durante quinze dias.
  5. Iniciar exercícios físicos leves somente após um mês (por exemplo: corridas, natação).
  6. Exercícios moderados após dois meses (por exemplo: hidroginástica, alongamentos, pilates, musculação).
  7. Cuidados com a operação.

Como recomendação geral, devemos retirar o curativo 24 horas após a cirurgia. Limpar o local com gaze estéril e álcool a 70 % e deixá-la coberta apenas com fita microporosa.


VEJA TAMBÉM

Saiba mais sobre Cirurgias indicadas para cada doença