Publicado em

Obesidade na terceira idade: um grave risco para sua saúde

A obesidade no Brasil está crescendo em altas proporções e a população idosa é uma das afetadas nesse cenário. Segundo dados do IBGE, coletados em 2017, 16,7% das mulheres e 8,1% dos homens com mais de 65 anos sofrem com a obesidade em todo território nacional.

As consequências da obesidade no organismo de pessoas acima de 65 anos são mais preocupantes, porque há um agravante: as complicações metabólicas. Além do  excesso de gordura corporal, que diminui o desempenho físico pela perda de massa muscular, causando instabilidade de postura, dores nas articulações e acelerando o processo de envelhecimento, a doença leva o paciente a desenvolver outras patologias como diabetes e hipertensão. A obesidade também pode acelerar o processo de doenças crônico-degenerativa, como Alzheimer e Parkinson. Leia sobre hipertensão no blog post “hipertensão: como identificar e tratar essa doença“.

Os dois principais fatores que contribuem para o surgimento dessa doença, seja em idosos, jovens ou adultos, são a má alimentação e ausência, ou a pouca prática, de exercício físico. O reflexo de uma vida sedentária pode ser muito cruel e trazer sérios riscos à saúde. Quando se é jovem esses danos não ficam tão evidentes, mas ao longo dos anos e, principalmente, na terceira idade pode significar uma vida cheia de idas ao médico e restrições que não permitem viver com qualidade.

Para mudar essa realidade não é tão complicado, basta dar início a uma vida mais saudável agora. Se você é jovem aproveite sua força e tempo para descobrir um exercício que goste e lhe dê prazer. Há um cardápio variado de opções e por falar em cardápio, busque ter uma alimentação mais benéfica ao seu organismo. Incorpore frutas, verduras e legumes no seu menu. Aos poucos você não sentirá mais que tem a obrigação de comê-los e vai até gostar. 

Se você já está na terceira idade e se encontra entre a parte da população que sofre com a obesidade, não tem problema. Essa realidade não precisa ser a sua pra sempre. A prática de exercício físico e de uma boa alimentação também vale para você! Comece com caminhadas leves e refeições mais saudáveis. Com o tempo você se adapta à essa nova rotina e vai perceber o quanto ela será positiva. Saiba dicas de alimentos lendo o blog post “alimentos funcionais”:

 E claro, sempre há a opção de procurar por auxílio na medicina. Se sentir a necessidade busque por um especialista e procure entender se a cirurgia bariátrica é interessante para seu caso. Se não estiver confortável com a ideia ou achar que deve tentar uma outra alternativa primeiro, procure por um nutricionista e monte sua uma dieta e uma rotina recomendada para seu caso .

O que você não pode fazer é esperar mais!

Se você gostou da matéria ou já fez esse procedimento, conte um pouco pra gente sobre o seu processo de perda de peso 🙂

Publicado em

Perder peso ou emagrecer?

É comum associar a perda de peso ao emagrecimento, mas há uma diferença importante entre os dois conceitos. Primeiro, é preciso esclarecer que o peso é a soma da massa de diferentes tecidos (músculos, gordura, ossos e água), portanto, perder peso se refere à redução de qualquer um desses componentes.  Já, emagrecer é a perda das famosas gorduras, cujo excesso é prejudicial ao organismo.

O processo de emagrecimento pós-cirurgia bariátrica dura, em média, 18 meses. A maioria das pessoas que segue, rigorosamente, as orientações nutricionais, começa de imediato o acompanhamento com o fisioterapeuta e a prática de atividade física, chegando ao peso ideal, com menos de um ano, alcançando assim, o sucesso da operação. Para quem já fez a cirurgia bariátrica, é muito importante entender essa diferença entre perder peso e emagrecer, porque é comum pessoas perderem peso muito rapidamente nos primeiros meses pós-cirurgia e, essa perda, deve ser monitorada por um nutricionista.

Do ponto de vista nutricional, é fundamental o acompanhamento adequado com exames, como a bioimpedância, para mostrar a quantidade de massa muscular e massa gorda perdida no período. Nos primeiros meses pós-cirurgia, é crucial não perder massa muscular, mas, sim, gordura. A perda de massa muscular pode acarretar doenças nos ossos e articulações.

O acompanhamento com o nutricionista nos primeiros meses de pós-operatório é de extrema importância para realização do controle da perda da massa muscular, além do suporte alimentar. Praticar atividades físicas ajuda a repor a massa perdida e um bom componente nutricional vindo dos alimentos aumenta as proteínas, evitando perder a massa. O foco do paciente deve estar no emagrecimento, na perda das gorduras e, para isso, deve ficar atento para além da balança.

Clique e leia mais!

Hérnia de hiato e comorbidades

Obesos e desnutridos

Obesidade infantil e fome oculta

Publicado em

Vegetarianismo infantil para combater a obesidade

É alarmante a quantidade de crianças e adolescentes obesos no mundo e a situação se reflete negativamente em outros aspectos da saúde infantil, na adolescência e segue para a vida adulta. A obesidade é um grande fator de risco para desenvolvimento da diabetes tipo 2. Diversos estudos revelam que 70% a 80% dos adolescentes obesos irão, provavelmente, manter-se obesos durante o resto da vida. O problema torna a luta contra a obesidade e excesso de peso infantil um dos desafios mais importantes nos cuidados de saúde.

Um artigo publicado nos EUA analisou vários estudos sobre a relação entre a ingestão de comida vegetariana ou alimentos vegetais e o excesso de peso. A investigação revelou que os vegetarianos são, geralmente, mais magros e com menor índice de massa corporal (IMC) que os não vegetarianos. Os homens vegetarianos pesam em média menos 7,7 kg e, entre as mulheres, a diferença média é de menos 3,3 kg, representando um valor de IMC que é 2 pontos mais baixo. Levantamentos com crianças indicam que aquelas criadas com uma alimentação vegetariana são mais magras que as da mesma idade, não vegetarianas, sendo que a diferença é ainda mais acentuada durante a adolescência.

O vegetarianismo já deixou de ser apenas uma dieta e se tornou um estilo de vida. É um regime alimentar baseado no consumo de alimentos de origem vegetal, excluindo assim todas as carnes. É importante lembrar que uma dieta vegetariana para crianças deve incluir os nutrientes adequados, pois precisam de maiores quantidades de certos nutrientes que adultos, como cálcio e ferro, por exemplo. O acompanhamento de um pediatra nutrólogo é importante para garantir a correta alimentação, elaborando uma dieta baseada em alimentos vegetais, que proporcione às crianças todos os nutrientes necessários.

Se você está pensando em assumir uma dieta vegetariana, um passo simples é começar com produtos de soja, em vez de produtos derivados do leite, pois se encaixam perfeitamente numa dieta saudável e variada, que pode iniciar após um pequeno-almoço. A grande variedade de produtos vai de bebidas às sobremesas e aos substitutos da carne, permitindo que seja possível desfrutar dos produtos de soja a qualquer hora do dia.

A dieta infantil mais adequada é a semivegetariana, cuja alimentação exclui a carne vermelha e a carne de porco, mantendo carnes brancas, ovos, mel, leite e derivados. É recomendado esperar até a adolescência, se, realmente, a opção for pela dieta vegetariana, quando já se tem mais informações sobre os diferentes tipos de alimentos e necessidades nutricionais de cada indivíduo.

Clique e leia mais!

Obesidade infantil e fome oculta

Entrevista com o Dr. Flávio Capanema sobre obesidade infantil

Combate a obesidade infantil nas festas

Publicado em

Você sabe o que é o Dumping?

Uma das principais dúvidas entre pacientes de pré e pós operatório é o chamado “Dumping”. A palavra de origem inglesa, deriva do termo “dump” e significa “despejar ou esvaziar”, entre outros. Para algumas pessoas que já passaram por procedimentos cirúrgicos de emagrecimento, o significado de Dumping é bem diferente e incomodo.

Dumping é uma sensação de mal-estar, normalmente, apresentada após uma alimentação muito rica em carboidratos, ou seja, açúcar. Ocorre devido à passagem muito rápida dos alimentos do estômago para o intestino. Então, assim que a pessoa ingere um alimento que contém muito açúcar, imediatamente, passa a ter um desconforto. A elevada ingestão de carboidratos causa um aumento súbito da insulina, acarretando uma crise de hipoglicemia. Os sintomas mais comuns são a sudorese, taquicardia (batedeira no peito) e sensação de desmaio. Entretanto, alguns pacientes relatam a sensação de peso na barriga, náuseas e vômitos, entre 10 e 20 minutos após as refeições. Entre 20 minutos e 1 hora após as refeições, eles relataram aumento do abdômen, gases, dor abdominal, cólicas e até diarreia.

Os pacientes com sintomas de Dumping devem ser tratados com orientação nutricional, modificando os hábitos alimentares. Há também a possibilidade da prescrição médica de remédios que atrasam a passagem dos alimentos do estômago para o intestino, reduzindo os picos de glicose e insulina após as refeições.

O Dumping é muito mais frequente em pacientes que fizeram o Bypass gástrico ou a cirurgia de Foby-Capella (bariátrica) que aqueles que fizeram a Gastrectomia tubolar (Sleeve), sendo que nesta última, a possibilidade de ocorrer o Dumping é pequena.

É importante ressaltar que todo acompanhamento pós-cirúrgico com um nutricionista e um gastroenterologista avalia eventuais sintomas de Dumping para prevenir doenças.

Clique e leia mais!

Obesidade e problemas respiratórios

Problemas de coluna em obesos

Obesidade infantil e fome oculta

Publicado em

Obesos e desnutridos

A obesidade cresceu 60% em dez anos no Brasil, conforme pesquisa do Ministério da Saúde. Os dados são considerados alarmantes, pois sempre estão acompanhados do crescimento de outras doenças, como a diabetes e hipertensão. É importante ressaltar que nem toda pessoa magra é saudável e nem toda pessoa acima do peso está doente. Entretanto, é comum que as pessoas obesas apresentem sinais de desnutrição, uma vez que não é a quantidade de comida que determina o bom estado nutricional, e, sim, a qualidade da alimentação.

A mudança de hábitos alimentares e a rotina dos grandes centros são fatores que influenciam a má alimentação. A pesquisa apontou ainda que os brasileiros estão consumindo menos ingredientes considerados básicos e tradicionais, como o feijão, por exemplo, que teve o consumo regular reduzido de 67,5%, em 2012, para 61,3%, em 2016.

O brasileiro tem optado por alimentos mais gordurosos e o consumo de industrializados, também repletos de gorduras, aromatizantes e conservantes, tornando muitos pratos mais calóricos e nada nutritivos. Trata-se de alimentos que “matam a fome”, porém não suprem as necessidades de vitaminas do organismo. A desnutrição acontece, justamente, quando existe uma deficiência ou falta de nutrientes essenciais para garantir o bom funcionamento do corpo e não a falta de comida.

Na obesidade, o consumo excessivo de carboidratos e gorduras gera um alto valor calórico e um baixo valor nutritivo. Em contrapartida, acontece um baixo consumo de vitaminas, minerais, fibras e, até mesmo, proteínas. A recomendação é manter uma alimentação equilibrada, com a presença de proteínas, fibras e vitaminas em geral, independentemente do peso.

Alerta! A confirmação de qualquer doença relacionada à obesidade deve ser feita após avaliação médica.

Clique e leia mais!

Obesidade e problemas respiratórios

Problemas de coluna em obesos

Obesidade infantil e fome oculta

 

Publicado em

Problemas de coluna em obesos

Por: Michelle Nery  – Fisioterapeuta da equipe do Bhariátrica

A postura pode ser definida como a maneira de manter o corpo no espaço e ser classificada como adequada (com menor sobrecarga de estruturas ósseas, musculares e articulares) ou inadequada (com maior sobrecarga das estruturas de sustentação do corpo).  A manutenção da postura adequada para quem é obeso, quando parado ou em movimento, é mais difícil em função das diferenças de concentração de tecido adiposo nos vários  segmentos corporais. A concentração elevada de gordura, principalmente, na região abdominal, gera uma alteração no alinhamento corporal, com consequentes mudanças nas curvaturas da coluna vertebral.

O centro de gravidade do obeso também fica alterado, podendo causar uma perda momentânea do equilíbrio, na execução de determinados movimentos.

As principais alterações visuais na coluna da pessoa obesa são o aumento das lordoses lombares (1) e cervicais (3) e, aumento da hipercifose torácica (2). A alteração do centro de gravidade também é observada na avaliação do paciente em pé.

1 – Hiperlordose lombar: aumento da curva da coluna acima do bumbum, predominantemente pelo excesso de gordura abdominal somado à fraqueza da musculatura na região. A anteriorização da pelve também contribui para essa alteração

2 – Hipercifose torácica: aumento da “corcunda” como compensação da hiperlordose lombar e seus elementos

3 – Hiperlordose cervical: aumento da curvatura da nuca, como compensação da hipercifose torácica e da má postura como um todo.

A situação provoca quadros de dores e limitações na rotina do obeso. As atividades que, antes eram realizadas com facilidade, vão se tornando verdadeiros desafios. A pessoa com excesso de peso requer acompanhamento e orientação de um fisioterapeuta capacitado e com vivência nesse perfil de paciente para que as funções sejam recuperadas ou adaptadas, dentro das particularidades de cada um, e as dores, minimizadas.

Ser funcional e não sentir dor é um direito de todos.

Obesidade também causa problemas respiratórios, clique aqui e previna-se!

Publicado em

Obesidade e Problemas Respiratórios

problemas respiratórios

A obesidade causa diversas complicações metabólicas e cardiovasculares que geram problemas respiratórios em pessoas com sobrepeso. O excesso de peso, decorrente da gordura sobre o pulmão, provoca uma grande dificuldade para a entrada e saída de ar.

A caixa torácica,  envolvendo os pulmões, não consegue expandir de maneira adequada, por causa da pressão externa exercida pela gordura acumulada no peito e na área abdominal. A situação acarreta um limite na expansão dos pulmões, que precisam aumentar a demanda por oxigênio, causando dificuldade em respirar.

A asma é um dos mais frequentes problemas respiratórios em pessoas obesas ou com sobrepeso, representando 92% dos casos. Normalmente, essas pessoas apresentam ataques mais agudos e possuem um índice maior de visitas à emergência, sendo mais frequentes em hospitais que os asmáticos não obesos. A asma e a obesidade estão entre as maiores causas de morbidade na infância e adolescência.

Uma outra doença característica da obesidade é a apneia do sono, distúrbio decorrente de parada momentânea da respiração ou de processo respiratório muito superficial durante o sono, resultando em roncos e descanso pouco relaxante, sem permitir o descanso e uma adequada recuperação de energia.

O ronco é um dos principais sintomas que levam o paciente a procurar um especialista, pois a maioria das pessoas doentes apresenta essa característica. Entretanto, nem todo ronco é causado pela apneia do sono.

A perda de peso é a principal recomendação para uma vida respiratória mais saudável, mantendo sempre uma alimentação balanceada e com a prática diária de exercícios. É essencial consultar um pneumologista para recomendação de outros métodos.

Publicado em

Combate à Obesidade Infantil Nas Festas de Fim de Ano

crianças ao fundo com uma mesa saudável contendo um peru, brócolis e outras verduras

A obesidade infantil atinge cada vez mais crianças no mundo e para evitar se tornarem adultos com sobrepeso, deve-se tomar cuidado diário em  combater os riscos e manter hábitos saudáveis.

Durante as festas de fim de ano, é comum as pessoas exagerarem durante as ceias, em decorrência da importância emocional e tradição. Lembre-se que é possível fazer uma ceia farta e saudável, alimentando-se sem exageros. A  primeira função do alimento é sustentar. O prazer com a alimentação é algo secundário. Eduque seus filhos.

Durante o preparo da ceia, como os alimentos levam um tempo maior até serem servidos e, durante o dia, a criança, possivelmente, fará diversas refeições menores, pois a família estará focada em cozinhar a refeição principal do dia 24 e do dia 25. Prepare lanches saudáveis, evitando doces, refrigerantes e biscoitos. Aproveite para iniciar, imediatamente, um novo hábito: o de comer em menor quantidade, várias vezes ao dia. Isso manterá as crianças saciadas durante o dia sem sentirem fome, portanto, consumirão porções menores à noite.

Certifique-se que as crianças estejam hidratadas durante todo o dia e as  considere na hora de elaborar  o cardápio. Você pode consultar um pediatra nutrólogo para verificar as melhores recomendações, pois cada criança tem suas necessidades e carências. Se for o caso, converse também com uma nutricionista para preparar um cardápio balanceado e agradável. Entre em 2018 de uma maneira saudável. Comece hoje mesmo a combater a obesidade infantil e já faça as mudanças que deseja daqui pra frente.

Publicado em

Dicas Simples para Um Fim de Ano Sem Culpa

mesa de ceia com peru espumante e decoração natalina

Chegamos fim de ano em que se coloca na balança tudo o que foi feito nos meses anteriores. Avaliamos nosso comportamento e atitudes para traçar novos caminhos e metas para o período que está para começar.

Para aqueles que lutam contra o peso, o fim de ano pode representar o perigo de perder o controle de todo o esforço feito. Evite se preocupar. As festividades não precisam ser sacrificadas em favor da saúde. O primeiro passo é buscar ajuda de uma nutricionista para elaboração de um cardápio ideal para a ceia, proporcionando um novo sabor para a mesa. Aproveite para surpreender a família.

Geralmente, como a alimentação é mais farta durante as ceias de Natal e Ano Novo, mantenha a hidratação e coma apenas refeições leves durante o dia. Mantenha as atividades físicas.

As refeições dessa época levam mais tempo para o preparo. Evite esperar sentir fome  para se alimentar. Coma algo leve antes da ceia. Lembre-se que o alimento só passará a sensação de saciedade, cerca de 40 minutos após a ingestão.

Deixe para consumir guloseimas, como panetone, no dia da ceia. Assim, você compartilha com amigos e familiares, ficando satisfeito sem exagerar.

Para o fim de ano: no Natal, não tem como evitar a ceia do dia 24 e nem o almoço do dia 25. O segredo é voltar ao ritmo habitual o quanto antes. No Réveillon, aproveite o primeiro dia do ano para começar com força total e conquistar uma vida mais saudável em 2018.

Boas Festas!

Publicado em

Exageros Durante as Refeições Natalinas

As rabanadas, doces, guloseimas, pães, peru e tantos outros alimentos estão presentes na mesa de centenas de famílias durante as refeições natalinas e outras ceias de fim de ano. São sempre tantas opções, que fica difícil se controlar para não encher o prato com essa diversidade e passar do limite na hora de servir.

Acontece que esse tipo de comida tem uma grande carga de gorduras, açúcares e carboidratos que alteram o sistema digestório e podem causar, entre outras complicações, um desequilíbrio da flora intestinal. Em casos de pessoas que já apresentam algum problema de saúde, como a obesidade, a situação pode ser ainda mais grave. O hipertenso pode ter a pressão descompensada e chegar a uma hospitalização com risco de AVC. Um diabético que consumir muito panetone ou doces, por exemplo,  pode elevar muito o açúcar no sangue e acabar sendo hospitalizado também.

A dica principal para casos de abuso desses alimentos é evitar dietas rigorosas nos dias seguintes. Faça um esforço para voltar à rotina o quanto antes, evitando perder o foco. Deixar de comer ou comer de forma equivocada, após o exagero, também pode causar um desequilíbrio ainda maior em seu organismo. A melhor forma de combater o exagero é praticar atividades físicas, mesmo sendo feriado. Mantenha a hidratação e consuma alimentos naturais, como frutas e verduras, ingerindo boas fontes proteicas. Se precisar de ajuda, entre em contato com uma de nossas nutricionistas.

Vivemos uma cultura de excessos e em datas como o Natal, acabamos por extrapolar. Mantenha o foco no que  realmente importa. Compartilhe o amor e paz, torcendo por dias cada vez melhores.

Publicado em

Cerveja, padrão beliscador e ganho de peso

copo de cerveja em frente à um barril deitado e um ramo de cevada.

Recentemente, o consumo de cerveja está sendo recomendado  em sites de notícias e redes sociais como um protetor contra doenças cardiovasculares, sem a validação de uma pesquisa consolidada. A recomendação requer estudos científicos. É fundamental estar sempre atento ao risco decorrente da ingestão de bebidas alcoólicas, em quantidade elevada e frequentemente, principalmente, para quem tem predisposição à obesidade.

As bebidas alcoólicas são altamente calóricas e se diferenciam dos alimentos, por proporcionarem proteínas, gorduras, carboidratos, minerais e vitaminas. O álcool é apenas álcool, sem nenhum nutriente e, quando consumido frequentemente,  pode, inclusive, diminuir a absorção dos nutrientes decorrentes dos alimentos.

A cerveja tem as mesmas calorias do álcool e ainda o carboidrato decorrente do malte e do lúpulo, bases de sua constituição, significando que tem muita caloria e ainda o carboidrato, sem nenhum valor nutricional.

O “padrão beliscador” é outro fator preocupante que acompanha o consumo de cerveja. Uma porção de coraçãozinho, mandioca ou batatas fritas, assim como as tábuas de aperitivos, por exemplo, são alimentos comumente feitos em óleo e altamente calóricos. Quem come parte dessas porções, alegando apenas beliscar,  não consegue controlar o consumo.

O exagero ao beber provoca ainda ressaca no dia seguinte, acarretando indisposição, muita sede, cansaço e vontade de consumir doces e gordura, alimentos muito calóricos e que podem prejudicar a saúde, além de gerar indisposição para a prática da atividade física.

O consumo razoável e moderado de cerveja não é um problema, mas, requer atenção aos perigos que o excesso pode causar. Previna-se contra a obesidade.

Conheça nossos especialistas que podem te ajudar a compreender melhor e enfrentar a obesidade.

Publicado em

A importância da reunião de pacientes

A cirurgia bariátrica proporciona benefícios e também um desafio muito grande para quem passa ou pretende fazer o procedimento. O paciente precisa de um suporte físico, psicológico, emocional e do apoio constante da equipe médica.

A motivação e o cumprimento das recomendações médicas são fundamentais. A tarefa fica muito mais leve e fácil, quando você tem a possibilidade de conviver com pessoas que já passaram pelo mesmo processo, afinal, também já vivenciaram o que você está passando agora, para que, no futuro, as suas histórias sirvam de exemplo para outros que decidirem mudar de vida.

Reunião de pacientes realizada em setembro.

É importante que esse grupo de pacientes, decididos a melhorarem suas vidas, se encontrem e participem para oferecer e receber apoio. Você pode encontrar no outro a força de vontade para prosseguir e ajudar a fazer durar por mais tempo esse ciclo, em que hoje você recebe ajuda e, amanhã, oferece.

Os encontros contam sempre com a presença de profissionais  dispostos a esclarecerem dúvidas e explicarem qualquer parte do processo,  durante as apresentações de temas pertinentes e, ainda, te acompanharem, mais de perto, trocando ideias no intervalo para um lanche saudável e delicioso.

A reunião é gratuita e periódica. Se você está em processo de pré-operatório ou pós-operatório de gastroplastia, ou mesmo que esteja avaliando a mudança radical em seu estilo de vida, pode participar desses encontros para que seu procedimento seja tão bem sucedido, quanto o seu desenvolvimento junto à nossa equipe.

A próxima reunião do Bhariátrica – Instituto de Obesidade e Cirurgia será no dia 25/11, a partir das 8h30. Inscreva-se gratuitamente, clicando aqui.