Publicado em

Problemas de coluna em obesos

Por: Michelle Nery  – Fisioterapeuta da equipe do Bhariátrica

A postura pode ser definida como a maneira de manter o corpo no espaço e ser classificada como adequada (com menor sobrecarga de estruturas ósseas, musculares e articulares) ou inadequada (com maior sobrecarga das estruturas de sustentação do corpo).  A manutenção da postura adequada para quem é obeso, quando parado ou em movimento, é mais difícil em função das diferenças de concentração de tecido adiposo nos vários  segmentos corporais. A concentração elevada de gordura, principalmente, na região abdominal, gera uma alteração no alinhamento corporal, com consequentes mudanças nas curvaturas da coluna vertebral.

O centro de gravidade do obeso também fica alterado, podendo causar uma perda momentânea do equilíbrio, na execução de determinados movimentos.

As principais alterações visuais na coluna da pessoa obesa são o aumento das lordoses lombares (1) e cervicais (3) e, aumento da hipercifose torácica (2). A alteração do centro de gravidade também é observada na avaliação do paciente em pé.

1 – Hiperlordose lombar: aumento da curva da coluna acima do bumbum, predominantemente pelo excesso de gordura abdominal somado à fraqueza da musculatura na região. A anteriorização da pelve também contribui para essa alteração

2 – Hipercifose torácica: aumento da “corcunda” como compensação da hiperlordose lombar e seus elementos

3 – Hiperlordose cervical: aumento da curvatura da nuca, como compensação da hipercifose torácica e da má postura como um todo.

A situação provoca quadros de dores e limitações na rotina do obeso. As atividades que, antes eram realizadas com facilidade, vão se tornando verdadeiros desafios. A pessoa com excesso de peso requer acompanhamento e orientação de um fisioterapeuta capacitado e com vivência nesse perfil de paciente para que as funções sejam recuperadas ou adaptadas, dentro das particularidades de cada um, e as dores, minimizadas.

Ser funcional e não sentir dor é um direito de todos.

Obesidade também causa problemas respiratórios, clique aqui e previna-se!

Publicado em

Criança está acima do peso? O que fazer.

Autor do artigo Obesidade Infantil e fome oculta: associação entre escassez e excesso, nosso especialista em Pediatria e Nutrologia, o médico Flávio Diniz Capanema fala sobre os problemas enfrentados pela sociedade atualmente e como pais podem auxiliar no combate a obesidade infantil.

Clique aqui e fale com dr. Flávio Capanema.

Publicado em

Obesidade e Problemas Respiratórios

problemas respiratórios

A obesidade causa diversas complicações metabólicas e cardiovasculares que geram problemas respiratórios em pessoas com sobrepeso. O excesso de peso, decorrente da gordura sobre o pulmão, provoca uma grande dificuldade para a entrada e saída de ar.

A caixa torácica,  envolvendo os pulmões, não consegue expandir de maneira adequada, por causa da pressão externa exercida pela gordura acumulada no peito e na área abdominal. A situação acarreta um limite na expansão dos pulmões, que precisam aumentar a demanda por oxigênio, causando dificuldade em respirar.

A asma é um dos mais frequentes problemas respiratórios em pessoas obesas ou com sobrepeso, representando 92% dos casos. Normalmente, essas pessoas apresentam ataques mais agudos e possuem um índice maior de visitas à emergência, sendo mais frequentes em hospitais que os asmáticos não obesos. A asma e a obesidade estão entre as maiores causas de morbidade na infância e adolescência.

Uma outra doença característica da obesidade é a apneia do sono, distúrbio decorrente de parada momentânea da respiração ou de processo respiratório muito superficial durante o sono, resultando em roncos e descanso pouco relaxante, sem permitir o descanso e uma adequada recuperação de energia.

O ronco é um dos principais sintomas que levam o paciente a procurar um especialista, pois a maioria das pessoas doentes apresenta essa característica. Entretanto, nem todo ronco é causado pela apneia do sono.

A perda de peso é a principal recomendação para uma vida respiratória mais saudável, mantendo sempre uma alimentação balanceada e com a prática diária de exercícios. É essencial consultar um pneumologista para recomendação de outros métodos.