Publicado em

Combate à Obesidade Infantil Nas Festas de Fim de Ano

crianças ao fundo com uma mesa saudável contendo um peru, brócolis e outras verduras

A obesidade infantil atinge cada vez mais crianças no mundo e para evitar se tornarem adultos com sobrepeso, deve-se tomar cuidado diário em  combater os riscos e manter hábitos saudáveis.

Durante as festas de fim de ano, é comum as pessoas exagerarem durante as ceias, em decorrência da importância emocional e tradição. Lembre-se que é possível fazer uma ceia farta e saudável, alimentando-se sem exageros. A  primeira função do alimento é sustentar. O prazer com a alimentação é algo secundário. Eduque seus filhos.

Durante o preparo da ceia, como os alimentos levam um tempo maior até serem servidos e, durante o dia, a criança, possivelmente, fará diversas refeições menores, pois a família estará focada em cozinhar a refeição principal do dia 24 e do dia 25. Prepare lanches saudáveis, evitando doces, refrigerantes e biscoitos. Aproveite para iniciar, imediatamente, um novo hábito: o de comer em menor quantidade, várias vezes ao dia. Isso manterá as crianças saciadas durante o dia sem sentirem fome, portanto, consumirão porções menores à noite.

Certifique-se que as crianças estejam hidratadas durante todo o dia e as  considere na hora de elaborar  o cardápio. Você pode consultar um pediatra nutrólogo para verificar as melhores recomendações, pois cada criança tem suas necessidades e carências. Se for o caso, converse também com uma nutricionista para preparar um cardápio balanceado e agradável. Entre em 2018 de uma maneira saudável. Comece hoje mesmo a combater a obesidade infantil e já faça as mudanças que deseja daqui pra frente.

Publicado em

Dicas Simples para Um Fim de Ano Sem Culpa

mesa de ceia com peru espumante e decoração natalina

Chegamos fim de ano em que se coloca na balança tudo o que foi feito nos meses anteriores. Avaliamos nosso comportamento e atitudes para traçar novos caminhos e metas para o período que está para começar.

Para aqueles que lutam contra o peso, o fim de ano pode representar o perigo de perder o controle de todo o esforço feito. Evite se preocupar. As festividades não precisam ser sacrificadas em favor da saúde. O primeiro passo é buscar ajuda de uma nutricionista para elaboração de um cardápio ideal para a ceia, proporcionando um novo sabor para a mesa. Aproveite para surpreender a família.

Geralmente, como a alimentação é mais farta durante as ceias de Natal e Ano Novo, mantenha a hidratação e coma apenas refeições leves durante o dia. Mantenha as atividades físicas.

As refeições dessa época levam mais tempo para o preparo. Evite esperar sentir fome  para se alimentar. Coma algo leve antes da ceia. Lembre-se que o alimento só passará a sensação de saciedade, cerca de 40 minutos após a ingestão.

Deixe para consumir guloseimas, como panetone, no dia da ceia. Assim, você compartilha com amigos e familiares, ficando satisfeito sem exagerar.

Para o fim de ano: no Natal, não tem como evitar a ceia do dia 24 e nem o almoço do dia 25. O segredo é voltar ao ritmo habitual o quanto antes. No Réveillon, aproveite o primeiro dia do ano para começar com força total e conquistar uma vida mais saudável em 2018.

Boas Festas!

Publicado em

Exageros Durante as Refeições Natalinas

As rabanadas, doces, guloseimas, pães, peru e tantos outros alimentos estão presentes na mesa de centenas de famílias durante as refeições natalinas e outras ceias de fim de ano. São sempre tantas opções, que fica difícil se controlar para não encher o prato com essa diversidade e passar do limite na hora de servir.

Acontece que esse tipo de comida tem uma grande carga de gorduras, açúcares e carboidratos que alteram o sistema digestório e podem causar, entre outras complicações, um desequilíbrio da flora intestinal. Em casos de pessoas que já apresentam algum problema de saúde, como a obesidade, a situação pode ser ainda mais grave. O hipertenso pode ter a pressão descompensada e chegar a uma hospitalização com risco de AVC. Um diabético que consumir muito panetone ou doces, por exemplo,  pode elevar muito o açúcar no sangue e acabar sendo hospitalizado também.

A dica principal para casos de abuso desses alimentos é evitar dietas rigorosas nos dias seguintes. Faça um esforço para voltar à rotina o quanto antes, evitando perder o foco. Deixar de comer ou comer de forma equivocada, após o exagero, também pode causar um desequilíbrio ainda maior em seu organismo. A melhor forma de combater o exagero é praticar atividades físicas, mesmo sendo feriado. Mantenha a hidratação e consuma alimentos naturais, como frutas e verduras, ingerindo boas fontes proteicas. Se precisar de ajuda, entre em contato com uma de nossas nutricionistas.

Vivemos uma cultura de excessos e em datas como o Natal, acabamos por extrapolar. Mantenha o foco no que  realmente importa. Compartilhe o amor e paz, torcendo por dias cada vez melhores.

Publicado em

Obesidade infantil e fome oculta

Nosso especialista em pediatria, DR. Flávio Capanema foi convidado para produzir um material sobre Obesidade Infantil para a Universidade Corporativa da Unimed. O tema discutido foi Obesidade Infantil e Fome Oculta, devido a maior chance de crianças obesas desenvolverem deficiências de micronutrientes (Ferro e Vitamina D) e o risco para a chamada “Fome Oculta”.

Confira abaixo um trecho do artigo:

A obesidade, condição adversa à saúde humana, é definida como um distúrbio do metabolismo energético que se caracteriza por acúmulo anormal ou excessivo de gordura no organismo, decorrente da interação entre fatores genéticos, ambientais e comportamentais. O balanço energético positivo, determinado pela ingestão aumentada de macronutrientes, gasto energético reduzido e pela termogênese dos alimentos, resultará em ganho de peso corporal na forma de gordura. Partindo-se da estimativa de que o excesso de peso e a obesidade causam em todo o mundo 3,4 milhões de mortes, com perda de 3,8% dos anos de vida ajustados por incapacidade dados recentes informam a dimensão global do problema: a proporção de adultos obesos aumentou entre 1980 e 2013 de 28,8% para 36,9% em homens e de 29,8% para 38,0% em mulheres. A prevalência de sobrepeso e obesidade também aumentou em crianças e adolescentes em países em desenvolvimento, passando de 8,1% para 12,9% para meninos e de 8,4% para 13,4% em meninas.

Confira o artigo na integra no portal – acoesunimedbh.com.br.